terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Endovélico


Como técnico de arqueologia que sou, não posso deixar de referir um dos principais e mais bonitos sítios arqueológicos
do Alentejo. Claro que, uma visita ao "Google" e umas polidelas aqui e ali, ajudaram a fazer este post. (A foto é minha!)

Esta foto representa um dos lugares mais bonitos existentes nos arredores do Redondo. Trata-se da "Rocha da Mina" que, segundo rezam as crónicas, era a localização primitiva do santuário do Deus Endovélico que mais tarde foi erguido no topo do cerro de S. Miguel da Mota, a 5 km a Norte de Terena, muitos séculos atrás e antes da nossa era, o santuário resume-se hoje a vestígios das suas ruínas. No entanto, ainda hoje subsistem muitas dúvidas acerca desta divindade, para os estudiosos.
Para uns, poderá ter sido uma divindade do panteão indígena da Lusitânia que foi, posteriormente, romanizado. Para outros, tratar-se-ia de um Deus Celta.
O que faz sentido, uma vez que os Lusitanos constituíam uma etnia mas, falavam a mesma língua e possuíam a mesma cultura que os Celtas logo, pode-se dizer que os Lusitanos eram uma tribo Celta.
Apesar de pré-céltico, o culto de Endovélico acentuou-se na época céltica e atingiu o seu esplendor já no período romano.

A Época Romana
É neste período que este culto atinge o seu apogeu, em parte devido à política romana da não hostilidade para com os cultos indígenas. Os Romanos aceitavam estas crenças no seu panteão por saberem o que elas significavam para as populações locais. Aceitando a fé local, mais fácil se tornaria a sua romanização. Esta atitude por parte dos Romanos, foi o que permitiu que estes testemunhos chegassem até aos nossos dias.

O Deus Ctónico
Endovélico é uma divindade infernal e benfazeja que velaria pela saúde das pessoas, concedia profecias e oráculos e, finalmente, asseguraria aos fiéis eterna e feliz depois da morte. Este Deus teria ainda os seguintes significados:
-Deus da medicina: (Foi encontrada uma representação de um paralítico);
-Divindade psicopômpica: (Condutora de almas para o outro mundo, encontraram-se representações de palmas e coroas de louros, símbolos de imortalidade);
-Divindade Tópica: (Protectora da região em que era adorado);
Culto e Devoção
O culto de Endovélico é revelado pela existência de um santuário. Provavelmente, primeiro, toda a zona da "Rocha da Mina" seria sagrada mas, à medida que a sua crença foi aumentando, surge a necessidade de criar um local próprio para a divindade, daí as ruínas encontradas no topo do outeiro de S. Miguel da Mota. No entanto, há ainda a teoria de que, numa fase já decadente do culto, este santuário tenho sido abandonado para se fixar no santuário designado por S. Miguel da Mota no qual, se encontra uma igreja feita a partir de uma anta.
Foi, no entanto, nas encostas do outeiro que foi encontrado o maior número de lápides e vários outros objectos dedicados a este culto.
Actualmente
Hoje em dia, podem-se visitar tanto a "Rocha da Mina" como o santuário de Endovélico através da "Rota do Endovélico" que inclui outros povoados como o Castelo Velho (do outro lado da ribeira de Lucefécit em frente às ruínas do Endovélico) e o Castelinho. No entanto, as acessibilidades não são as melhores (eu que o diga, a minha carrinha já "penou" tanto no meio de cerros, ribeiras intransponíveis e corta-fogos!)
Mas, sinceramente, vale a pena visitar. Já visitei quase todos e é lindo, principalmente daqui a umas semanas quando as estevas estiverem em flor... fantástico! Aconselho vivamente!

8 comentários:

Vanadis disse...

Espera ái....tecnico de arqueologia?????????

Luz do amanhecer disse...

Ena! Andas muito informativo! gostei da lição!

joao disse...

E já estiveste na Fonte Boa? e na Moagem? experimenta passar por lá. São sitios bem interessantes e também eles repletos de história 'recente'.

abraço

Matchbox31 disse...

vanadis: Sim, não sabias que essa era a minha real profissão? Mas cm tenho que ganhar dinheiro, tive que me agarrar ao que aparecia...

Luz: Ainda bem que gostaste quando quiseres visitar, avisa que faç~-te uma visita guiada! Lol!

João: Acho que já estive na moagem mas não tenho a certeza. Tenho pena de não ter mais tempo para esplorar todos esses sítios.

Vanadis disse...

ENA!!!!!!!!! ;-) boa!!!!! ;-) mas, sabes que toda e qq obra tem de ter um arqueologo, na sabes??
força!! ;-)

Matchbox31 disse...

Dizes bem, arqueólogo. Não técnico de arqueologia. Pagam mal, tarde e a más horas, é por recibos verdes e há excesso de pessoas nessa área. Portanto... tenho que ganhar a vida por outro lado.

su disse...

Arqueólogo?! Era a minha profissão de sonho...mas fiquei-me pelas letras. E a arqueologia e a História pelo estudo por gosto! Gosto imenso de fazer as minhas passeatas, munida de bússolas, rotas, caminhos, mapas, anotações e descobrir este género de locais com tanta história por detrás. A minha última, foi por terras de Galiza, em busca dos castros, antas e outros locais deste género. mas antes também estive no Alentejo a fazer uma rota desse género: mamoas, antas, menirs, cromeleque, sepulturas antropomórficas, gravuras e antigos castros...estive nos restos do castelo do Giraldo, perto de Évora...gosto de sentir o poder, a magia e a vibração intensas que estes lugares passam para nós.
É pá...não sabia deste local...vai ficar registado. Fiquei em "pulgas2!
E tudo o que toca a civilização celta mexe aaqui comigo! :)))))

Matchbox31 disse...

Olha su, estou à tua espera! Acredita que quando lá se chega, sente-se uma energia, algo especial mesmo...