sábado, 26 de janeiro de 2008

Capítulo 1 - Segunda parte

Era linda, trazia um longo vestido branco que, com o vento que se fazia sentir, realçava os contornos do seu corpo. O seu longo cabelo ondulado cor de fogo, esvoaçava ao sabor do vento. Toda ela era pureza e paz, tão bela e tão serena como se fosse saída de um sonho, como se fosse uma miragem. Mas, ao mesmo tempo, parecia real. João estava boquiaberto, não conseguia articular o mínimo gesto, teve mesmo que se beliscar para ter a certeza que não estava a sonhar.
Continuou a avançar até se deter a escassos metros de João, deitando-lhe o sorriso mais belo e radioso que jamais vira.
Ainda de "queixo caído", ruborizou e devolveu-lhe um sorriso atabalhoadamente idiota. No entanto, não conseguia parar de observá-la. Tinha uns olhos verdes, intensos e penetrantes, como se invadissem o mais recôndito canto da alma daquele em quem incidiam.
Misteriosamente, permaneceu ali, em silêncio, contemplando o mar como se estivesse sozinha, como que ignorando a presença de João... cujo, já nem se lembrava do que o levara ali de tão absorto que estava. Mas o que mais o inquietava, para além do mistério que parecia envolver tudo o que esta mulher fazia, era o facto de lhe deixar a sensação de se conhecerem desde sempre mas era impossível, ele nunca a vira antes... ou assim pensava.
E assim permaneceram, sem uma palavra, ambos olhando o mar absorvidos no outro mar, no dos seus pensamentos... até que:
-O que pensas fazer, não é solução para os teus problemas... há tanta coisa linda no mundo, tanta coisa por descobrir... - disse deixando João mais uma vez boquiaberto.
Como era possível que aquela mulher soubesse o que o levara ali?
-Olha agora, ali ao fundo, a magia do mundo! A linha do horizonte, onde o mar e o céu se encontram, é como se o mar não tivesse fim e o céu fosse o seu prolongamento... tal como o mar não cessa, também tu não podes desistir da tua vida por tão pouco, há muito mais para ver, descobrir, experimentar do que à primeira vista... - continuou.
-Mas... porque me estás a dizer tudo isto? Nem sequer me conheces! Não sei o teu nome... como sabes... não é possível! - disse João completamente surpreendido e espantado.
-Shhh... não digas nada. Há muitas coisas que ainda desconheces e, para já, é tudo o que precisas saber... adeus! - disse enquanto se virava e começava a caminhar pelo mesmo caminho que a trouxera.
-Espera um pouco! Como te chamas? Quando te vejo outra vez?
-Se estivesse no teu lugar, não me preocuparia com isso... - respondeu continuando a sua caminhada afastando-se cada vez mais, com os seus longos cabelos a esvoaçar ao sabor do vento, como se flutuasse sem tocar no chão.
Ficou a observá-la até desaparecer no meio da vegetação. Novamente sozinho, desta vez sem pensar em atirar-se ao mar, João não conseguia parar de pensar:
-Como é que uma mulher, apesar de tão bela, conseguiu em tão pouco tempo, deixar-me tão pensativo, tão ansioso por voltar a vê-la? Quem será?
Mas uma coisa sabia: tinha que voltar a vê-la, nem que para isso lá voltasse todos os dias, tinha que a ver!



(Continua)

2 comentários:

su disse...

...anjos e demónios...todos nós somos visitados nos momentos certos e incertos por aqueles que estão mais "pesados" no prato da balança que nos serve naquele momento...e enganam-nos na percepção. Somos meros joguetes nas suas mãos ou asas imaculadas...

Voltará a vê-lo?! Voltará a vê-la?!
...

Matchbox31 disse...

Na percam as cenas dos próximos capítulos... Lol!